Terça, 21 Julho 2015 11:32

‘SAMU Solidário’ promove treinamento de primeiros socorros em parceria com o Upaon-Açu

Primeiros Socorros: conhecimentos que valem uma vida Google Imagens

Mais que obrigação, prestar socorro às pessoas é uma questão de cidadania, segundo Milton Steinman, cirurgião da Unidade de Pronto Atendimento e do Corpo Clínico do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). “Todo cidadão tem que socorrer, mesmo porque os incidentes podem acontecer com qualquer um de nós".  De acordo com ele, a grande maioria dos acidentes poderia ser evitada, porém, quando eles ocorrem, alguns conhecimentos simples podem diminuir o sofrimento, evitar complicações futuras e até mesmo salvar vidas.

De acordo com o Manual do Socorrista elaborado por especialistas e docentes das áreas de emergência pré e intra-hospitalar, publicado em 2013, todos os seres humanos são possuidores de um forte espírito de solidariedade, e é este sentimento que os impulsiona a tentar ajudar as pessoas em dificuldades. O manual ressalta que nos trágicos momentos, após os acidentes, as vítimas são totalmente dependentes do auxílio de terceiros, porém somente o espírito de solidariedade não basta. Os especialistas alertam que para que para prestar um socorro de emergência correto e eficiente, é preciso conhecer técnicas de primeiros socorros.

Algumas pessoas pensam que, na hora da emergência, não terão coragem ou habilidade suficiente, mas isso não deve ser motivo para deixar de aprender as técnicas, porque nunca se sabe quando será necessário utilizá-las, é o que afirma o Portal Nacional de Saúde.

Pensando na necessidade de conhecer as técnicas de primeiros socorros para salvar vidas, o SAMU - Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, em São Luís, promove o ‘Projeto Samu Solidário’, que oferece treinamento de primeiros socorros a empresas, instituições de ensino e comunidade em geral e, em troca, recebem doações de cestas básicas para distribuição. Segundo Renata Gabriela, enfermeira de urgência e uma das colaboradoras do projeto, o principal objetivo desta ação é preparar as pessoas para um atendimento básico de urgência até a chegada do socorro especializado.

Além de ser uma importante iniciativa, Gabriela conta que, ao realizar um treinamento, os ministrantes do SAMU adotam um método de ensino bastante descontraído. “Nós optamos por essa metodologia, justamente porque a situação, na realidade, é bastante pesada e assustadora, de grande estresse, então tentamos levar o conhecimento de uma forma mais leve, para que, futuramente, se houver necessidade, a pessoa consiga fazer o atendimento e salvar uma vida, sem muitos receios”, explica.

A enfermeira e pedagoga, Audenice Lima, autora do artigo publicado ‘Os Primeiros Socorros em Sala de Aula’, ressalta que a escola é o local onde se passa boa parte da vida, e o ser humano, por mais cauteloso que seja, está vulnerável a acidentes. Segundo a especialista, esta é a realidade das pessoas que convivem no ambiente escolar que poderão passar por situações em que o socorro deve ser imediato. Para ela, os educadores, alunos e todos os funcionários de uma instituição de ensino devem obter conhecimento para tomar atitudes imediatas em situações de risco, como afogamentos, hemorragias, fraturas, luxações, entorses, queimaduras, engasgamento, em partos emergenciais, entre outros.

A escola Upaon-Açu, ciente deste quadro e preocupada com a segurança e a vida de seus alunos e funcionários, firmou parceria com a iniciativa do SAMU, o ‘Projeto Samu Solidário’, e já realizou o treinamento com dois grupos este ano. O coordenador de educação física, esportes e qualidade de vida, Rodrigo Nascimento, conta que o Upaon-Açu trabalha com muitas crianças, no dia-a-dia que envolve atividades não só em sala de aula mas também extraclasse, e que daí surgiu a percepção de que esse tipo de qualificação é necessária para evitar, prevenir ou socorrer quando houver qualquer tipo de risco a vida dos pessoas no ambiente escolar.

Camila Balluz, diretora administrativa da instituição, conta que a escola já proporcionava este tipo de treinamento. “Nós já fazíamos, periodicamente, mas com um espaço de tempo maior e com a equipe reduzida, geralmente com pessoas já da área de saúde ou de segurança e manutenção e este ano trouxemos a parceria com o SAMU, estabelecendo a proposta de fazer com toda a equipe. A escola assumiu o compromisso de fornecer as cestas básicas ao SAMU para que todos os nossos funcionários participassem desta ação importantíssima”, ressalta.

A socorrista Renata Gabriela parabenizou a escola pela iniciativa e ressaltou que a atitude de buscar o conhecimento de primeiros socorros é essencial para garantir a segurança das pessoas em uma instituição.

A escola possui um quadro de 220 funcionários e a atividade está sendo realizada em grupos de 30 pessoas. Dois grupos já passaram pelo treinamento e os próximos já estão previstos, até que todos estejam capacitados para prevenir acidentes ou ajudar a salvar vidas.

Maiores Informações